Existe uma dieta ideal?

Com bastante freqüência são divulgadas na mídia novas dietas, uma mais promissora que a outra, que resultam em grandes perdas de peso ou ganhos de massa muscular em tempos cada vez menores. Pelo menos é o que tentam vender. Podem ser dietas com baixíssimas quantidades de gordura, ou muito reduzidas em carboidratos como a de Atkins, ou dieta da sopa, da lua, do tipo sanguíneo, do mediterrâneo, etc. Para cada tipo de dieta da moda que é lançada existem indivíduos que acreditam piamente que aquela é a melhor opção para si e procuram aderir ao máximo o tratamento. E realmente alguns obtêm bons resultados e alcançam seus objetivos. Mas será que pelo fato de ter dado certo para alguns, isso pode ser extrapolado para todos?

É aí aonde quero chegar. Nossos corpos produzem as mesmas enzimas, hormônios, neurotransmissores, exceto algumas doenças específicas. Isso é característico da espécie humana. Porém, apesar de produzirmos as mesmas substâncias, elas não se encontram nas mesmas concentrações e quantidades em todas as pessoas. Partindo desse princípio, foi criado o conceito de individualidade bioquímica.

É exatamente por isso que comumente pessoas me questionam por que um conhecido que come bastante não engorda enquanto ele mesmo come pouco e engorda facilmente; ou por que uma pessoa pode tomar uma xícara grande de café logo antes de dormir e não ter alterações no sono, enquanto outra se tomar café a tarde já fica com insônia.

O metabolismo e a fisiologia humana de cada indivíduo têm suas peculiaridades, o que é determinado pela sua genética e pelos seus hábitos de vida. Tudo o que somos, cada estrutura, célula, órgãos no nosso corpo e tudo que é produzido por essas estruturas é composto por nutrientes, advindos da alimentação.

Por isso, hoje em dia, com os avanços nos estudos em genética, biologia molecular e celular, a alimentação e cada nutriente presente em alimentos específicos têm tido suas funções no corpo melhor definidas, tornando possível utiliza-los para prevenir e auxiliar no tratamento de diversas doenças e disfunções orgânicas. Há muito tempo já é difundida a idéia de que uma dieta rica em frutas e verduras, equilibrada, previne diversas doenças. Porém é totalmente diferente, comer 300g de salada composta apenas por alface e tomate, do que 300g de salada composta por rúcula, brócolis, tomate, alface e cenoura.

A diferença é que, com o avanço das pesquisas na área de nutrição, alguns nutrientes devem ser priorizados para uma pessoa, enquanto para outros o foco deve ser outro, adequando a dieta à individualidade bioquímica do paciente. Tudo isso pode ser feito numa consulta com um nutricionista através de análise de sinais e sintomas do paciente, por meio de avaliação física e solicitação de exames laboratoriais.

Mas já que existe toda essa complexidade por trás da alimentação, por que algumas dietas da moda promovem bons resultados para alguns? É exatamente porque empiricamente aquele tipo de dieta se adequou bem às necessidades daquele indivíduo, apesar de não ser o único meio de alcançar o resultado almejado.

Então, a dieta ideal existe sim, para cada indivíduo, não sendo única e genérica para todos. O que deve ser procurado é a dieta que faça você alcançar seu objetivo e manter esse resultado a longo prazo. Assim, acabando de vez com a idéia de dietas radicais nos dias anteriores a viagens, férias, casamento, e trazendo o conceito de reeducação alimentar e busca da saúde através da inclusão de uma alimentação saudável na sua rotina e seus hábitos de vida.

WhatsApp chat