Furei a dieta, agora vou compensar treinando em dobro. Isso funciona?

Quanto tempo de exercício é preciso fazer para “queimar” uma escapada da dieta? Muitas pessoas ficam pensando em como compensar os excessos na alimentação e procurando métodos para calcular quanto tempo de exercício terão que fazer para queimar a pizza ou sobremesa do final de semana? Na prática, isso é aplicável? A resposta é: NÃO! O corpo humano não segue uma regra matemática e a relação de como ele gasta a energia consumida pela alimentação sofre influência de uma série de hormônios e enzimas que irão direcionar como essa energia será utilizada. Então, dependendo de quem comeu determinado alimento, o prejuízo pode ser maior ou menor.

Vamos a um exemplo, 100 kcal consumidas a partir da ingestão de 1 brigadeiro ou de 1 maçã média podem tomar caminhos metabólicos totalmente diferentes, sendo o primeiro (brigadeiro) mais direcionado ao favorecimento do ganho de gordura corporal, pois tem alto índice glicêmico e aumenta a liberação de mediadores inflamatórios; já o segundo (maçã) tem alto teor de fitoquímicos, índice glicêmico mais baixo, alto teor de fibras solúveis e insolúveis e assim ajuda a controlar a saciedade e peso corporal.

1610879_919272141446857_6473759316841062165_n reduzida

Além disso, as equações para estimar o gasto energético durante o exercício, durante o repouso e o gasto total diário, acabam tendo limitações. Isso porque esses valores variam de acordo com o sexo, idade, peso de gordura corporal, peso magro. Por essas equações não tem como determinar precisamente um gasto energético exato por tempo de prática de determinado exercício. Por exemplo, dois indivíduos de mesma idade, sexo e peso corporal, um com trinta por cento de gordura e outro com dez por cento de gordura, praticando 30 minutos de exercício terão gastos energéticos diferentes, sendo que o com menos gordura e mais magra irá tem um gasto maior que o outro, apesar do resultado do cálculo na equação que leva em conta idade, sexo e peso corporal acusar que os 2 teriam gastos iguais.

Portanto, ao invés de ficar tentando arrumar “soluções” para aliviar as furadas na dieta, o melhor a se fazer mesmo é procurar profissionais qualificados, nutricionistas e educadores físicos, para planejar a melhor estratégia de alimentação e exercícios visando alcançar os objetivos em performance física e saúde, da forma mais segura e rápida. Dessa forma, estando com o metabolismo acelerado, mesmo furando a dieta eventualmente, os prejuízos tendem a ser muito pequenos e serão revertidos pela manutenção da dieta e treino.

Por Nutricionista Renato França

– Diplomado pelo The Institute for Funtional Medicine (EUA)
– Especialista em musculação e treinamento de força pela UnB
– Sócio-proprietário da Clínica de Nutrição Esportiva e Funcional Renato França em Brasília – DF
– Instagram @nutricionistarenatofranca
– Facebook.com/clinicadenutricaorenatofranca

WhatsApp chat