Por que procurar um nutricionista esportivo

Quando uma pessoa decide iniciar a prática de algum exercício físico, frequentemente se depara com algumas questões, como: “Agora tenho que mudar algo na minha dieta?” ou “O que posso fazer para otimizar meus resultados?”. Independentemente de quais sejam os objetivos almejados com a prática do exercício, sejam estéticos, de reabilitação corporal ou melhoria da saúde, deve ser dada uma atenção maior à dieta sob orientação de um nutricionista esportivo.

Muitas vezes essa atenção não é dada, o que pode levar a riscos para a saúde e também dificuldade para alcançar as metas, que desestimula inclusive o seguimento dos treinos. Não são raros em academias casos onde os alunos durante o treino relatam fraqueza, indisposição, ânsia de vômito podendo chegar a desmaios.

banner-triatlo 80

Isso na maioria das vezes não se dá por falta de preparo físico nem pela intensidade muito alta do exercício, mas sim por hipoglicemia, ou seja, quando a glicose sanguínea fica mais baixa que o normal. O mais lógico de se pensar é isso aconteceu porque o indivíduo foi treinar em jejum ou passou um longo período sem se alimentar antes do treino.

Porém, outros erros também podem levar a episódios de hipoglicemia. Por exemplo: Caso a pessoa consuma uma refeição composta apenas por alimentos de alto índice glicêmico (Ex.: doces, mel, pão francês ou pão de forma branco), ocorrerá um aumento rápido da glicemia, que acarreta como resposta uma liberação rápida de insulina – hormônio responsável por retirar glicose do sangue para os tecidos – pelo pâncreas, visando normalizar a concentração de glicose no sangue. Entretanto, às vezes a liberação de insulina excede o necessário para normalizar a glicemia. Se acontecer durante o exercício, onde a demanda por glicose está aumentada, isso pode levar a uma hipoglicemia, com sintomas desde sonolência e fraqueza nos casos mais brandos, até desmaios em hipoglicemias mais severas.

Para prevenir a hipoglicemia durante os treinos, deve-se evitar na refeição pré-treino: pão branco puro (francês ou de forma), macarrão ou outra massa puros, doces. A refeição pré-treino deve ser composta por alimentos de médio ou baixo índice glicêmico como frutas, sanduíches com salada e alguma fonte protéica (Ex.: presunto, queijo, carne), biscoitos de água e sal.

Outro ponto importante a ser discutido é que o exercício físico é um fator de stress ao nosso corpo, pois com o aumento de consumo de oxigênio pela aumento da respiração são produzidos mais radicais livres do que em repouso. Por isso, com a prática de exercícios há uma maior demanda por antioxidantes. Eles atuam “combatendo” o excesso de radicais livres e impedindo que o stress fisiológio gere danos à saúde.

sports-nutrition

Dessa forma, atletas e praticantes de exercícios físicos devem garantir que sua alimentação supra suas necessidades energéticas e de vitaminas e minerais, de acordo com sua composição corporal e seu treino. Para isso, pode-se utilizar: frutas, hortaliças, cereais integrais, tubérculos (batatas, mandioca, inhame, etc.), sementes oleaginosas (castanhas, linhaça, etc.) e proteínas magras.

O profissional mais capacitado para orientá-los sobre esses aspectos é o nutricionista, de preferência um nutricionista esportivo. Assim, você conseguirá usufruir dos benefícios proporcionados pelo exercício, melhorando sua capacidade cardiorrespiratória e sua composição corporal, sem que seu nível de stress fisiológico gere danos ao seu organismo.

Por Nutricionista Renato França

– Diplomado pelo The Institute for Funtional Medicine (EUA)

– Especialista em Musculação e Treinamento de Força pela UnB

– Sócio-proprietário da Clínica de Nutrição Esportiva e Funcional Renato França em Brasília – DF

– Instagram @nutricionistarenatofranca

Facebook.com/clinicadenutricaorenatofranca

WhatsApp chat