Tênis aliado á musculação e boa alimentação deixam o corpo bem definido

Tênis aliado á musculação e boa alimentação deixam o corpo bem definido

Atriz de novela da Globo chama a atenção para as vantagens obtidas em pouco tempo de prática do tênis. Especialistas, no entanto, alertam: há a necessidade de fazer exercícios e ter boa dieta

Não importa se o treino visa uma competição ou se é apenas um exercício rotineiro: a prática do tênis, em pouco tempo, muda o formato do corpo dos atletas. Pelo menos é o que afirma a atriz Fernanda Vasconcellos, que preferiu dispensar os dublês e encarar uma personagem tenista na novela A vida da gente, da TV Globo. Em quatro meses de puxadas três horas diárias nas quadras, Fernanda já pôde perceber os resultados.

“Eu dei uma secada. Fiquei com a perna mais durinha e a cintura afinou”, disse a jornalistas, acrescentando que pratica o esporte de cinco a seis vezes por semana. Ainda que seja adepta da corrida e tenha feito natação durante dez anos, na infância, Fernanda se mostrou surpresa com as dores musculares — típicas do esporte. “Para jogar, eu usava músculos que nunca havia trabalhado antes. Sentia muita dor no ombro, no antebraço e nas pernas”, comentou.

Quem frequenta as quadras há mais tempo concorda que os resultados não demoram para aparecer. “Já vi muita gente perder peso. Recentemente, um atleta emagreceu 16kg só jogando. Parece difícil, mas é possível quando praticado de forma regular e intensa”, comenta o técnico Santos Dumont. Ainda que no início dos treinamentos o foco maior seja nos fundamentos do esporte, Dumont diz que já é possível sentir os efeitos nessa fase.

Além da perda de gordura, outra vantagem proporcionada pela prática de tênis é o ganho de massa muscular, com direito a curvas avantajadas. “Por ser um esporte de explosão, o corpo é modelado principalmente nas pernas e no abdome. É bem feminino”, elogia Cláudia Chabalgoity, veterana da modalidade em Brasília. O esporte, no entanto, não faz milagres. Sobre os efeitos em Fernanda Vasconcellos, a ex-tenista é enfática: “Acredito que tenha sido uma junção de fatores e não apenas o tênis. Todo mundo sabe que, sem uma dieta, não tem como emagrecer”.

O nutricionista Renato França também frisa que só a atividade física não é suficiente. E, segundo ele, sem um plano nutricional, os exercícios podem até confundir quem está querendo entrar em forma. “A pessoa pensa que, porque está fazendo algum esporte, pode comer o que quiser, mas não é verdade. Depende mais do que se está ingerindo do que de quanto tempo se dedica à atividade física”, diz.

França é defensor da tese de que o exercício atua em 30% dos efeitos sobre o corpo. O restante está relacionado à alimentação e ao descanso. “O ideal é juntar tudo. Também não adianta só reduzir as calorias. Cem calorias de doce é diferente de uma mesma quantidade em uma refeição balanceada”, completa.

Palavra do especialista
Emagrecimento sadio
Quatro meses é um bom período para um emagrecimento sadio.
O grande problema não é perder peso, mas manter o que foi perdido. Quanto mais rápido se emagrece, maior a chance de ganhar depois. Por isso, temos que procurar exercícios que funcionem a longo prazo. O tênis é tão bom quanto natação, corrida e caminhada. Cada pessoa deve escolher o esporte que mais lhe agrada.

Monalisa Azevedo, presidente regional da Sociedade Brasileira de Endocrinologia

 

 

Musculação ajuda a equilibrar o crescimento

 

Caio Mello/Nova
“Eu dei uma secada. Fiquei com a perna mais durinha e a cintura afinou” Fernanda Vasconcellos, atriz, após quatro meses de três horas diárias dedicadas ao tênis

Que o tênis deixa o corpo bonito, não há questionamentos. Um longo período de prática, no entanto, pode desenvolver algumas regiões musculares mais do que outras e fazer com que o lado em que a força é mais aplicada fique ligeiramente desproporcional. “O braço que segura a raquete pode ficar mais forte por causa do movimento e do peso do equipamento, que tem em média 300 gramas”, explica o técnico Santos Dumont.

Mas nada que torne as mulheres menos femininas. Na opinião da ex-tenista Cláudia Chabalgoity, os efeitos podem ser comparados aos de outros ofícios. “Quando se trabalha muito no computador, as pessoas sofrem lesões por esforço repetitivo (LER) e problemas no pulso. No tênis, desenvolvemos muito ombro e antebraço. São consequências da profissão”, comenta, acrescentando que também é difícil escapar das bolhas nos pés e nas mãos, já que o exercício costuma ser praticado sob o sol.

Esses impactos do esporte não devem criar alarde. Para a também ex-tenista Larissa Carvalho, não só o tênis, como a maioria das atividades físicas, deixa uma parte do corpo mais forte do que a outra. “Não acho isso negativo e não é uma coisa de se frisar”, diz. Para ela, a prática do esporte, aliada à musculação e a uma boa alimentação, é capaz de equilibrar o crescimento e corrigir as diferenças.

Fonte: Super Esportes

WhatsApp chat